domingo, 24 de abril de 2016

O RABO DO BOI



O Rabo do Boi

Bernardinho vivia numa grande fazenda. Todas as manhãs, a mãe de Bernardinho o levava pra passear perto do rio onde a grama era verdinha e suculenta.  _ Acorda filhote, já está na hora de pastar a grama verdinha lá perto do rio. E o bezerro acordava e num pulo já estava em pé. _ Oba! Vambora, mamãe, hoje eu acordei com uma fome de leão! Vou comer tudo pra crescer e ficar fortão. Os dois riam muito e seguiam pelo pasto em direção ao rio. Bernardinho ia chamando os amigos: o pato, o ganso, o marreco, o cabrito e todos juntos na maior algazarra cantavam : Eu vou! Eu vou! Pro rio agora eu vou! Eu vou! Eu vou! E de brincadeira em brincadeira Bernardinho foi crescendo e ficando fortão como queria. Era orgulho da mamãe e do papai. 
Numa manhã de muito calor, Bernardinho foi levado por dois homens para fazer parte da Farra do Boi. Ele foi maltratado, ferido, humilhado e teve o rabo cortado num golpe de facão. Depois de tudo acabado, Bernardinho foi levado de volta pra fazenda,  e quando todos viram o rabo cortado, riam muito, chamando de  "cotoco". E sem a "vassourinha" da ponta do rabo, ele não podia espantar as muriçocas que o picavam sem dó. Bernardinho foi ficando cada dia mais triste e solitário, vivia escondido, com vergonha dos amigos. Um dia, na beira do rio, a garça sentiu muita pena de Bernardinho e olhando o "cotoco" de rabo, teve uma ideia! _ Ei, Bernardinho, vou dar um jeito no seu rabo!Me encontre aqui amanha e levantou voo sumindo no céu. No outro dia Bernardinho foi até o rio e a garça pousou, trazendo no bico, um espanador! _ Pronto, meu amigo, vamos resolver o seu problema!-, e chamaram Juju, a aranha tricoteira pra amarrar o espanador no cotoco do rabo de Bernardinho.
Juju, fez um laço e dois nós, amarrou direitinho pra não cair. E Bernardinho ficou feliz, abanado o rabo pra lá e pra cá espantando as moscas e todos viveram felizes na fazenda.




sexta-feira, 22 de abril de 2016

O SAPATO DA BARATA


O Sapato da Barata

Tudo é motivo de festa na casa de Liloka, a barata mais vaidosa que mora no Beco da Assombração. Quando ela encontra um biscoito e um restinho de suco num copo ou canudo, todo mundo já sabe que o som vai rolar -, ela adora um pretexto pra mostrar os sapatos que acabou de comprar. Depois daquela historia que barata tem o pé peludo, Liloka ficou viciada em sapatos -, compra todos que vê. Todos os dias ela passa na loja do Zé Centopeia, o sapateiro do beco e encomenda sapatos novos de salto bem alto - já comprou mais de mil - tem verde, amarelo, roxo, vermelho, azul, xadrez e cor de anil. Tem sapato de seda, de couro, de lã, filó e asas de besouro -, tudo feito sob medida pra não apertar seus pézinhos na hora de dançar o Cancan. Liloka é vedete, tem cinturinha de pilão, usa meia arrastão, batom e cílios postiços. O cabelo é cor da moda e com um corte chanel. Quando anoitece, a barata se apronta e pra festa ela vai rebolando - passa dengosa e deixa o Besouro Verde de olhos vidrados, o Baratão do Mato de queixo caído e o Tatu Bola, logo assovia um tremendo fiu fiiiiuu. Todos apaixonados  e ela nem ai -, só quer saber de dançar e mostrar os sapatos, ela pensa que está no Bal Mabille ou no Moulin Rouge em Paris, mas o que importa é dançar, então paguem pra ver! Ô barata danada, essa tal de Liloka, é a sensação lá no Beco da Assombração!



terça-feira, 12 de abril de 2016

O PICA PAU

O Pica Pau

Bilico é um pica pau rei
muito invocado,
nervosinho que só.

Não leva desaforo pra casa
arrepia o topete
e faz voar pó!

Um dia, Bilico acordou surtadão.
Brigou com a jibóia
o quati e o camaleão.
Pirou o cabeção!

Bilico voou pra lá e pra cá
bicou árvore, bambu
coqueiro e até pneu de caminhão.

Desembestado
voou pra cidade
Pousou num parque
não pensou nada não,
mas logo achou companhia;
um macaco fujão.

Danou falação
e o pica pau vermelhão
pulava da árvore pro chão
bicando a sombra
e assombração.

Mas não foi nada não!
Macaco foi embora
com o rabo na mão.

Bilico ficou sozinho
olhando a multidão
feliz tal qual um gato ladrão.

Bicou aqui e ali
encontrou minhocas no chão
mas a fome era tanta
e Bilico errou na visão
bicou um chiclete mascado
se ferrou de montão.

O chiclete grudado no bico
mudo ficou 
e voou sem noção
em busca de salvação!

Na floresta de volta
encontrou Corujão
 -Nhunhgt! Nhijhyt!
tentou palavrão
até que o amigo arregalou
um olhão!!
Bilico, que aconteceu?!
- Nhunfjht! Nhunth!!

Ninguém entendeu nada não!
 Chamaram Doutor Raposão
que encontrou a solução:
- Tem que bicar um ramo de salsão
na horta do Hortelão!

-Grtrertrt!!... #@!!Hugth!!!
 Fuuuu...Fuuuu...

Quando o pica pau tentou falar
o chiclete fez um bolão
e Bilico virou atração.

Pica pau balão!
Pica pau Balão!
Foi só zoação!!!

Fuuuuu...
Fuuuu....
Fuuuuuuuuuu... Póóóu!
Estourou o bolão
Bilico todo lambuzado
caiu de costas no chão!!


para Nitolino