domingo, 29 de maio de 2016

PRESENTE DE ANIVERSÁRIO


Presente de Aniversário

Maluzinha vestiu o seu vestido novo, arrumou os cabelos com laços de fita, calçou meias e sapatos novos-, e foi à festa de aniversário do Nitolino!
Levou vários presentes dentro de uma caixa enorme amarada com laço de fita. Maluzinha comprou, Soldadinhos de chumbo, índios do Forte Apache, um Pião, um Quebra-cabeça, um jogo de Dominó, Bolinhas de Gude, um jogo de Cinco Marias, um Manual do Escoteiro Mirim e um livro Heróis, Deuses e Monstros da Mitologia Grega. Nitolino  estava muito feliz usando um chapeuzinho de listras azuis e brancas, igual a camiseta novinha. Todos os amigos estavam presentes, teve muitas brincadeiras e cantoria. Todos cantaram Parabéns à Você, enquanto Nitolino abria os presentes. Ao termino da festa, Maluzinha desejou toda felicidade do mundo para Nitolino!


 E mais um ano de Vida, começa agora! 



desenho: LL



quarta-feira, 4 de maio de 2016

A MENINA BORBOLETA



Era uma vez... 
É assim que começam todas as historias!


A Menina Borboleta


Num reino distante, vivia uma Menina Borboleta. Ela passava o dia com seus amigos, Gnomos, as Fadas e os animais da Floresta Encantada. O pai da Menina Borboleta era o Acendedor de Estrelas e a mãe, era a  Fadas das Flores. Todas as manhãs a Menina Borboleta olhava pela janela do seu quarto a sua mãe acordar as flores, despejando uma gota do perfume mágico em cada flor adormecida. E quando a noite chegava silenciosa, ela ajudava o Acendedor de Estrelas trazendo o Fogo Mágico que acendia todas as estrelas do céu e tudo era LUZ no Reino Encantado. Todos viviam felizes porque o Relógio do Tempo, não tinha ponteiros e ficava sentado no alto da Torre de Um Olho Só e por não ter ponteiros, ele nunca sabia das horas e nem se ontem era hoje ou se hoje é amanhã. Mas um dia, quando a Menina acordou, não sentiu o perfume e nem viu as flores -, todas ainda dormiam fechadas em suas pétalas. Ela, então procurou a sua mãe, a Fada das Flores mas não a encontrou. E o dia foi triste e sem flores. Quando a noite veio se arrastando silenciosamente, a menina chamou pelo seu pai, o Acendedor de Estrelas, mas ele também não estava e a noite foi escura e triste sem a luz das estrelas. A menina ficou sozinha -, e na manhã seguinte ela procurou os seus pais, e não os encontrou. Eles foram  levados pelo Mago das Trevas que desejava  a Pedra Talismã, que guarda em seu interior, o Fogo Mágico que acende as estrelas. Porém, o Mago das Trevas não sabia que somente a Menina Borboleta pode tirar o Fogo Mágico de dentro da Pedra Talismã e entregá-lo ao Acendedor de Estrelas. Quando o Mago das Trevas tocou a Pedra Talismã, ela ficou muito quente queimou as suas mãos , então ele ficou com muito ódio e  levou  a Fadas das Flores e o Acendedor de Estrelas e os prendeu para sempre numa masmorra no Castelo da Noite Eterna. A Menina Borboleta voou pelo Reino Encantado procurando os seus pais até ficar  cansada, sentou-se à beira de um lago colocando os pés na água fresca e foi nessa hora que ela viu o reflexo do Sol beijando seus pés e se apaixonou perdidamente. E todas as tardes, depois de muito voar procurando pelos pais, a Menina voava até o lago para ver o seu amor - o Sol! E foi assim, durante muitos e muitos anos e a Menina Borboleta era triste durante a noite e feliz durante o dia, porque o Sol era o seu amor. Mas o Mago das Trevas, queria que a menina  revelasse o segredo da Pedra Talismã, então, ele tremeu a Terra até que o fundo do lago se partisse e toda água desapareceu. Quando a Menina, chegou ao lago, não encontrou mais o seu amor e ela ficou triste e chorou. Cada lágrima que caia no fundo do lago seco, refletia por um instante, o Sol e a Menina ficava alegre e parando de chorar e o reflexo do Sol desaparecia. A Menina Borboleta não entedia o que estava acontecendo e foi ficando triste e cada dia mais triste e  não mais sorria ou brincava com seus amigos gnomos, nem as fadas ou mesmo com os animais da Floresta Encantada. Um dia, ela voou e voou  e voou cada vez mais alto, até chegar na Lua. Sentou-se e chorou de tristeza e cada lágrima que caia, acendia uma estrela, mas não o Sol, pois ela estava sentada na Lua. Até hoje, quando olhamos a Lua Cheia, podemos ver a Menina Borboleta ainda chorando a saudade dos pais e o seu amor que nunca mais encontrou - o Sol.